Tendências para a hotelaria corporativa em 2021

letreiro palavra hotel

Neste artigo, vamos falar sobre as principais novidades da hotelaria corporativa, considerando mudanças no comportamento do viajante e as tendências para o setor hoteleiro.

Já não é novidade o fato de que a pandemia e as medidas de segurança sanitárias tiveram um impacto significativo para a rede hoteleira ao longo de 2020 – e se estendeu pelo começo de 2021 com flexibilização de acordo com avanço da vacina.

Algumas respostas a essa situação inesperada desencadearam mudanças duradouras nos hotéis, que envolveram desde seu modelo de negócios até mesmo a mudança de espaços físicos de suas instalações. 

O Turismo de Negócios, também conhecido como M.I.C.E. (meetings, incentives, congress and exhibitions), e a Hotelaria Corporativa estão num cenário desafiador, tendo de se reinventar e se adequar à nova realidade. 

Segundo o “Our World in Data”, em janeiro de 2022 o Brasil tem 68% da população vacinada. E para esse ano o futuro ainda é incerto, mas podemos fazer algumas projeções de acordo com o cenário atual.

Neste artigo, vamos trazer algumas tendências sobre a hotelaria corporativa e uma reflexão sobre o futuro da hotelaria para eventos. 

O novo perfil do viajante

Antes de falar sobre a hotelaria é importante fazer uma reflexão sobre a parte mais importante nessa engrenagem: o hóspede. 

A humanidade, como um todo, não sairá da mesma forma como entrou nesta pandemia. Muitas pessoas tiveram mudanças significativas em suas vidas e suas rotinas, de modo que seus valores e preferências também mudaram. 

O novo viajante está cada vez mais digital, ou melhor, phygital. Assim, a experiência – desde a reserva até o check out – passa a ganhar outro valor. As pessoas estão mais empáticas e buscando acolhimento. Suporte e hospitalidade, mais do que nunca, serão um diferencial. 

Outra mudança de comportamento no consumidor em 2021 foi o perfil de suas viagens. Os pacotes devem considerar que parte da família pode estar de férias do trabalho ou da escola, enquanto a outra parte está estudando ou trabalhando remotamente.

Mas do final do ano de 2021 para o começo de 2022 começaram a acontecer mais e mais viagens de lazer, sejam aéreas ou rodoviárias. Porém, podemos perceber que a segurança e o cuidado com a saúde própria e a do próximo não deixaram de ser importantes. 

Mesmo com a população vacinada, a recomendação das autoridades sanitárias é de seguir usando máscara e evitar grandes aglomerações. As experiências tendem a assumir um formato cada vez mais digitalizado, portanto, eventos corporativos online tendencialmente serão a primeira opção das empresas. E reuniões presenciais precisarão ter sua necessidade bem justificada.

 

Assine nossa newsletter gratuita

Receba os melhores conteúdos sobre eventos diretamente no seu email

Eventos corporativos na pandemia

Com a proibição das aglomerações, o setor de eventos viu na digitalização uma alternativa para manter a execução do seu calendário e continuar conectando as pessoas. 

A hotelaria também precisou se redescobrir na tentativa de manter seu negócio rodando. Os eventos corporativos presenciais sumiram da noite para o dia e o formato híbrido ganhou espaço. 

Até por isso, o primeiro movimento feito pela rede hoteleira foi criar estúdios e salas de gravação com tecnologia de ponta para transmissões online e até mesmo recepção de grupos seletos de pessoas, geralmente os organizadores do evento e os palestrantes. 

Tecnologia essa que se perpetua até hoje, já que os eventos digitais se tornaram a primeira opção de muitas pessoas ao falar de eventos corporativos. Principalmente se tratando de palestras e webinars.

Adaptações da rede hoteleira durante a pandemia

A higienização e o distanciamento social são exigências para qualquer estabelecimento, e com os hotéis isso não é diferente. Na verdade, por ser um ambiente onde muitas pessoas costumam se reunir, as normas são ainda mais rígidas.

A readequação e a disponibilidade de espaços abertos se tornaram uma obrigação. Para fins de trabalho remoto, uma saída foi a conversão de grandes salas de reuniões em espaço menores, seja para pequenos grupos ou para uma pessoa apenas.

Isso pode ser feito através de uma plataforma de eventos online e muitas outras ferramentas de transmissão ao vivo, como Whereby, Vimeo e Streamyard.

Pode parecer contraditório, mas o distanciamento pode ser usado para aproximar a relação com hóspede. A humanização do atendimento e o cuidado com questões sanitárias hoje são itens básicos. E isso pode ser feito no dia a dia, com ideias simples. 

Por exemplo: o serviço como café da manhã, que antes era servido em um ambiente comum, agora é feito quarto a quarto – um excelente ponto de contato com o hóspede, ideal para personalizar o relacionamento durante a estadia. Uma mensagem personalizada, um brinde, um serviço grátis, são algumas das formas de aproveitar este momento e estreitar a relação com os clientes.

Hotéis que se reinventaram na pandemia

A rede Accor decidiu usar os quartos ociosos em seus hotéis, aplicando um novo conceito de room office: opção de espaços de trabalho confortáveis, adequados, seguros, silenciosos e privativos para quem tem dificuldade de adaptação ao trabalho remoto da própria residência.

Os resultados foram bem positivos e as normas sanitárias foram e continuam sendo seguidas à risca para garantir tranquilidade aos hóspedes. Neste novo modelo de hospedagem, as camas foram substituídas por mesas, cadeiras e sofás trazendo uma ambientação com cara de home office.

Além da acomodação diferenciada, a internet de alta velocidade garante o bom rendimento do trabalho e dispõe dos principais equipamentos para reuniões online e amenidades, como café e room service, o que torna a jornada confortável e produtiva.

O modelo de room office também ganha destaque na hotelaria de luxo, competindo diretamente com os espaços de coworking. No cenário pós-pandêmico, todos os andares térreos dos hotéis da marca Ibis também devem se tornar áreas comuns integradas.

A ideia é oferecer experiências de relaxamento e entretenimento para hóspedes, moradores e frequentadores da região – ampliando as possibilidades de uso dos espaços físicos. 

Tendências da hotelaria corporativa

Para entender as tendências, é muito importante analisar o cenário. Como dito anteriormente, as viagens a partir de agora podem não se restringir somente a lazer ou a trabalho, mas, para muitas pessoas, tudo ao mesmo tempo.

Com o home office para os adultos e o homeschooling para as crianças, as viagens  mesclam momentos de concentração e diversão, o que leva também as chamadas long stays, ou estadias mais longas. Desse modo, é importante considerar infraestrutura, atividades e serviços para essa nova configuração de hóspedes. 

Por isso, internet de boa qualidade, espaços privados para trabalho e atividades de entretenimento para toda a família são atributos valorizados. 

Ainda nesta linha, existe um movimento chamado “stayvacation”, uma brincadeira com as palavras “ficar” e “férias” (stay e vacation, respectivamente, em inglês). O comportamento nada mais é do que curtir as férias sem sair da própria cidade, uma vez que as viagens de longa distância ainda estão restritas. 

Nessa modalidade de turismo, o viajante curte alguns dias num hotel da sua própria cidade. Afinal, se muitos turistas viajam para conhecer a cidade, nada mais justo do que um morador também viver essa experiência. 

O hotel, então, passa a ser o principal ponto de interesse, tendo na hospitalidade e nos serviços seus grandes diferenciais. 

Outra tendência observada nessa nova configuração dos hóspedes é o interesse em saúde e bem-estar. Muitos hotéis estão disponibilizando serviços de massagem, SPA, alimentação saudável e outras atividades terapêuticas. Tudo isso respeitando as regras para evitar a propagação da COVID19, é claro. 

Uma outra tendência que era inevitável é a digitalização dos atendimentos, fator esse que veio transformando o mercado de eventos e hotelaria. Um exemplo muito bom são os check-ins que podem ser feitos online ou através de QR codes.

Também existindo o reconhecimento de impressões digitais dos hóspedes, aplicativo de hotéis para deixar a programação na palma das mãos e a personalização do atendimento.

Qual o futuro da hotelaria para eventos?

Podemos olhar para os outros países onde já existe certa flexibilização para o setor de serviços – devido à expansão da vacinação – e com isso ter um vislumbre do que está por vir.

Há uma sensação de confiança no mercado, tanto que algumas grandes redes hoteleiras estão fazendo investimentos agora de olho no retorno das atividades, num futuro de médio prazo. 

O Hilton, por exemplo, comprou um hotel voltado para eventos corporativos na Grande São Paulo. Na mesma linha, a GL Events está trabalhando para tornar o Anhembi (SP) em um espaço contínuo de entretenimento e eventos sociais e corporativos. 

O CEO da CVC, uma das maiores operadoras de turismo do país, prevê um boom no segmento de viagens e eventos no futuro: “as pessoas vão pensar ‘depois de tanto tempo sem viajar, quando eu for a uma convenção de vendas ou algo do tipo vou levar minha família e aproveitar o final de semana’”. 

Mariana Aldrigui, Presidente do Conselho de Turismo da Fecomércio, reforça que o futuro da hotelaria está na adaptabilidade do setor como um todo, enfrentando a nova realidade e considerando o perfil do novo hóspede. Assista: 

Como foi 2021 e o que esperar de 2022?

Os hotéis terminaram em 2021 melhor do que começaram, houve uma flexibilização nas normas de capacidade, uma volta gradual e tímida das viagens e hospedagens. 

No Réveillon, a ocupação chegou a 90% em cidades mais badaladas e litorâneas. Isso mostra como o setor pode se reerguer como era antes. Principalmente com as viagens que foram vendidas durante o ano de 2021 e estão sendo realizadas agora. 

Porém, com menos de 20 dias em 2022, pode-se notar um salto nos casos de Covid-19, isso devido ao descuido no final do ano. Mas o setor de hotelaria e turismo acredita que seja apenas um susto e não é necessário se preocupar com esse panorama a longo prazo.

Com o avanço da vacinação, podemos perceber que apesar da contaminação, os índices de morte por conta do vírus não estão tão altos quanto no ano passado. Mas ainda assim é importante que se tome os devidos cuidados.

Para auxiliar nesse processo de retomada, confira nosso artigo sobre o assunto aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.